quarta-feira, 3 de março de 2010

A banalização da vida

Algo que me incomoda é ver como a vida de um ser humano é banalizada hoje em dia a ponto de ser retirada por uma simples discussão que poderia ser resolvida com um bom diálogo e menos orgulho bobo e infantil. Hoje os noticiários anunciavam dois crimes que tiveram motivos diferentes mas chamaram a atenção. Um deles foi um homem trabalhador que foi morto por um simples recusar de fechar uma janela em Botafogo, bairo do Rio de Janeiro. É nesse que quero me centrar hoje, já que incendiar um ônibus não é novidade, mas sim com pessoas dentro, mas infelizmente era questão de tempo que algo bárbaro como esse acontecesse. Mas vamos ao caso que considero símbolo de banalização da vida...

Embora chocante, infelizmente não é a primeira nem a última morte que ocorre por um motivo bobo. Cansei de saber de mortes ocasionadas por discussões, especialmente de trânsito, mas até por pipa já soube de gente sendo morta. Semana passada um policial federal foi morto por um outro simplesmente porque o primeiro se recusou a entregar a arma (o que acho errado mas é o direito dele como policial federal) e provavelmente por motivo de orgulho besta a discussão resultou em morte. Provavelmente o orgulho besta foi o mesmo motivo que fez o assassino que discutia com o trabalhador que se recusou a fechar a janela do ônibus, a matá-lo.

Mas será que realmente precisaria matar? Claro que não! As pessoas acabam esquecendo-se atualmente que o que nos diferencia dos demais animais é o raciocínio. Quando deixamos de raciocinar e agimos por impulsos estamos agindo como animais. Estas pessoas estavam armadas e por ímpetos de raiva, com um pretenso orgulho ferido, deram fim a uma vida esquecendo-se que aquele ato não só afeta aquele que é morto mas uma família inteira, amigos e conhecidos. Todos que estavam "ao redor" da pessoa são afetadas por um ato de violência desse tipo. Por isso que sou a favor de que ninguém ande armado, exceto policiais, pois se houvesse tolerância zero com armas muita violência banal seria evitada, já que ter ou não arma não evita que você seja vítima de assalto ou outra espécie de violência, sendo apenas uma mera ilusão de auto-defesa.

Morrer por um motivo "nobre" como defender um ideal ou alguém que ama é admirável, morrer por uma fatalidade como um acidente ou desastre é aceitável, morrer por algum crime é revoltante mas ainda dá para entender, mas morrer por motivo banal como uma simples discussão onde o "perderdor" apenas sairia com orgulho ferido é algo que não tem como explicar. Não sei precisar com palavras, mas acho que a sociedade retrocede em muitos aspectos em vez de evoluir, e o valor da vida é um deles, fora a completa falta de diálogo em muitos momentos. Parece que vamos aos poucos voltando a época das cavernas ou para faroeste, onde a força e violência resolvia as coisas e não o diálogo. Para que evoluirmos cientificamente se a sociedade valoriza armas como ostentação de poder? Passamos a estados em que quando algo não funciona o povo procura depredar e dar porrada em vez de conversar e usar meios civilizados para resolver seus problemas. Isso não é evolução, de modo algum.

Mas se pensarmos um pouco podemos ver que isso no fundo é reflexo de omissão do governo quanto a violência, refletindo em todos depois de tanto tempo em uma sociedade violenta, além de descrédito nas vias civilizadas, já que muitas, como abrir um processo contra quem destrói algo que lhe pertence, acaba tendo a sensação de que não dará em nada... Entretanto esquecem que se o nosso país e sociedade está assim, eu , você e todos nós temos uma parcela de culpa nisso, já que não fazemos nada para mudar ou nem para cobrar devidamente quem deveria realmente cuidadar de nós.

Claro que não estou dizendo que a sociedade banalizar a vida humana é culpa dos políticos. Isso é culpa da própria sociedade e de desvalorização de certos valores. Temos que resgatar valores antigos como respeitar e dar valor a vida do próximo, senão estaremos em uma situação cada vez pior. E também aplicar leis mais severas em quem não respeita tais valores, pois sensação de impunidade contribui muito para a violência generalizada.

Finalizo aqui uma postagem um tanto quanto mais um desabafo e meio confuso nas ideias. Só espero que mudemos isso, senão terei que ir para a rua com um taco de beisebol com pregos como a Irisu que ilusta a postagem de hoje. Ela é de um jogo bem diferente estilo tetris que tem finais do tipo sangrentos chamado Irisu Syndrome. Espero que nunca precise de um desses para poder ir trabalhar... Porque sei que o dia que precisar ele de nada adiantará para me proteger mesmo...

Pensamento do dia: Para quê preocuparmo-nos com a morte? A vida tem tantos problemas que temos de resolver primeiro. Confúcio

3 comentários:

Naty disse...

olá!!
Eu esperava você para participar do mini-game, achei que você iria gostar, infelizmente, tive que atualizar o blog!!
Bom, a vida hoje em dia não vale nada. Eles matam como bebem agua, ja se tornou algo normal. Acho que deveriamos pensar que os animais aqui na sociedade somos nós. O_O
Acho que o mundo só vai piorar, não vejo como isso pode melhorar....
beijos, até mais

Reika disse...

Esse é um assunto um tanto complexo, não sei nem como expressar minha opinião. Mas acho que seria interessante ler O Mau-Estar Da Civilização, do Freud e Modernidade E Holocausto, do Zygmunt Baumann. O primeiro expressa bem o lado racional e animal que todos nós temos. E o segundo já fala da violência moderna e como o Holocausto afeta até hoje todos nós. Ele não foi somente um campo de concentração para os judeus, mas muito mais que isso: Um produto da modernidade. É um livro muito interessante, acho que você até encontra para ler no Google...eu acho xDDD Bom, eu simplesmente adoro o Bauman, ele escreve muito sobre a relação sociedade e modernidade, na questão do amor, do estilo de vida, etc.
Bom, para mim também não faz sentido algum o fato de alguém matar outra pessoa por causa de qualquer idiotice. Inventamos a linguagem para o que, então? Mas a sociedade sempre teve seus regressos e progressos e acho que a questão da violência é algo que afetou desde antigamente. A desvalorização de uma vida, seja sua própria ou de outros, não é um acontecimento atual, na verdade acontece há muito tempo. Veja em Roma a questão do pão e circo, a violência, maldade, perversão sempre serviram de diversão para a maioria. O fato de desde pequenos vermos exemplos de violência, seja explicita ou implícitamente, talvez tenha nos preparado para isso. Ou mesmo pode estar no nosso sangue ''institual'', se é que posso dizer desse modo. Mas a violência acontece em qualquer lugar, em qualquer hora. Seja no Japão, seja aqui, ou na Europa, ou EUA. Talvez sempre vá existir, porque até mesmo os mais bonzinhos e inocentes podem cometer atos do tipo. A convivência na sociedade não é fácil, não.
Sim, eu sei que sou confusa, mas to tentando melhorar isso. E também, não tenho uma opinião clara sobre esse assunto, como dito anteriormente, mas eu acho que podem existir tantas razões. A questão de talvez estar no nosso ''sangue'', às vezes o ambiente em que vivemos, nossa personalidade, nossas crenças, nossa visão de mundo, a tv e a manipulação da mídia podem ser essenciais para esse tipo de atitude. Tá, me enrolei demais xDDD''

O link para o livro do Bauman é esse: http://books.google.com.br/books?id=Og6umwN5xwEC&printsec=frontcover&dq=%27%27bauman+holocausto+e+modernidade%27%27&client=firefox-a&cd=1#v=onepage&q=&f=false
xDDDD Tá, talvez você odeie ler pelo computador, mas quem sabe um dia que você esteja intediado no computador ele não venha a calhar...xD''

Hidekee disse...

>Naty:

Ah, eu imaginei, mas não deu mesmo para entrar no blog e não vi seu post ç.ç

E pior que provavelmente a tendência é piorar mesmo ._.

>Reika:

Achei MTO interessante isso de ver a violância como produto da modernidade. Acho que aos poucos vamos esquecendo coisas de relacionamento com outros seres humanos e acabamos esquecendo para que servem as palavras.

E sim, infelizmente não é uma particularidade do Brasil. Se engana quem acha que em outros países não há violência...

E não achei que enrolou, mto pelo contrário. Adorei o seu comentário e obrigado pelo link do livro o/