quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Monumentos e conservação

A minha amiga Ichigo esteve na Europa e voltou falando algo que muita gente que já esteve lá já havia me dito: como eles conservam seus patrimônios e monumentos. Realmente, é notório como os seus monumentos são conservados sem que depedrem ou pixem. Esses dias vi na TV que em um país, acho que era na Áustria, colocaram um banco que tocava músicas do artista famoso, Mozart se não estou enganado, onde você sentaria e além de ler sobre a vida dele clicava em um botão no banco e ouveria músicas relacionadas com o período da vida dele e tal. O que me chamou a atenção foi o comentário de meu pai: "Ah se fosse aqui no Brasil..."

Realmente, outro dia vi que existem países que colocam em algumas praças equipamentos de ginástica gratuitamente para o povo se exercitar. Mas aqui no Brasil isso provavelmente seria depredado, assim como monumentos a exemplo dos óculos da estátua de Carlos Drummond de Andrade. Porque isso? Creio que é primeiramente com a ilusão de que colocar monumentos e coisas públicas em geral são de graça. Eu chamo isso de ignorância e até meio burrice generalizada. Claro que se alguém colocou algo para todos isso custou algo e alguém pagou. E quem pagou? Nós todos pagamos!

Quando o governo, seja municipal, estadual ou federal, coloca algo para todos usarem, eles usam recursos que por baixo se originaram dos meus e seus impostos. Ou seja, estamos pagando por eles. Portanto destruir ou prejudicar estes monumentos ou objetos públicos é jogar nosso dinheiro fora. Se todos tivessem esta noção seriam como os europeus e americanos. Eles não são simplesmente mais educados, mas sim sabem o valor de cada coisa. Não tem a noção ingênua e ignorante da vida que aquilo foi colocado de graça.

E engana-se aquele que sonega seu IPTU ou não declara Imposto de Renda que está sem pagar. Sempre que compramos algo já vem com uma carga tributária bem pesada até. Ou seja, você ir comer um simples cachorro-quente na esquina já está pagando indiretamente impostos. A um tempo atrás existia a famigerada CPMF que graças a Deus acabou, mas só lembrar que pagamos por movimentação financeira e produtos fabricados no Brasil ou mesmo importados estamos pagando taxas já faz a gente pensar em que fim é dado ao nosso dinheiro. Se todos fossem mais cientes disso haveria menos desvio de verbas, pois saberiamos que se tais taxas foram pagas devem render um tanto em investmentos que caso não apareçam é que algo está errado.

No final estamos em um ciclo vicioso gerado pela ignorância e pelo sentimento nocivo de querer sacanear o próximo, pois mesmo que haja a ignorância do custo dos monumentos, qual o motivo de depredá-lo? Simplesmente para "sacanear" os outros e se achar superior. Creio que deve estar enraizado com a maldição do pensamento "eu vou me dar bem sobre os otários" que está impregnado na nossa cultura. Assim conservação de monumentos acaba sendo um caso não só de conhecimento e educação mas também de cultura. Devemos mudar isso somente quando parte de nossa cultura mudar. Infelizmente é algo que demora, já que não se muda uma cultura de uma hora para outra, levando anos e as vezes gerações.

Uma pena, pois monumentos, muitos históricos, contam parte de nosso passado e com eles podemos não só admirar como também aprender muito de um povo e uma cultura, fazendo parte de nossa memória. Um povo sem memória é um povo sem autoconhecimento. Assim os monumentos podem ser considerados nossos tesouros e precisamos divulgar a ideia de mudança de pensamento para justamente preservar o que nós é importante, além de poder mostrá-los a quem nos visita com orgulho de quem mostra algo de valor belo e limpo para uma visita.

Pensamento do dia: Fisicamente, habitamos um espaço, mas, sentimentalmente, somos habitados por uma memória. José Saramago

3 comentários:

Naty disse...

olá!!
interessante isso que você falou sobre o que o povo faz aqui e chama-se vandalismo.
Eles não estão ligando se é de todos, incluindo eles mesmo e estão simplismente destruindo pelo simples prazer de destruir.
Essa demora que você citou em cima é algo que talvez nunca aconteça, infelizmente, nem todos estão dispostos a mudar...
beijos, até mais
ps: participa do mini-game que eu fiz lá, talvez você até consiga resolver...

Naty disse...

eu again.. não comentei no post passado por pensar que era o do moe, eu simplismente confundi!! O_O

Hidekee disse...

>Naty:

Sim, vandalismo e o puro desejo de fazer o mal pelo mal. E sei que talvez não aconteça, mas não custa nada tentar mudar, senão seremos nós os mudados e não eles, se é que me entende o.õ

É, imaginei que muitos iam confundir pelas imagens parecidas hauhuahuahuahuahua... Mas beleza. Gostou do wallpaper? xD

E beijos =***