sexta-feira, 3 de julho de 2009

A morte de alguém querido

É estranho como o ser humano mesmo depois de anos e anos de vivência sobre a Terra ainda não consegue aceitar ou encarar a única certeza que temos desde que nascemos: que iremos morrer um dia.

Acho que a própria morte, de certa forma, é até encarada de forma mais natural, já que a princípio, notem que digo a princípio mas depois mostrarei que não é bem assim, isto só depende de você. Mas esquecemos que assim como nós, aqueles que nos cercam um dia também irão morrer. E aí, como reagir quando alguém próximo morre e você fica?

Enfim, acabo de perder a minah avó materna, que embora estivesse fraca, estava com a saúde boa. Acabou falecendo de parada cardíaca e creio que o corpo dela depois de um infarte e três derrames não suportou outro infarte e mesmo após tentativas de ressuscitar e estando no hospital, para onde foi ontem para tratar de um problema nos pés que deixou todos apreensivos a semana toda mas o maior risco que corria era exclusivamente perder os pés tendo que amputá-los, ela não aguentou e veio a morreu. Velhice? Talvez. Quem sabe fosse até o melhor para que ela não sofresse tanto, pois vá se saber como seria se estivesse viva mas precisasse ficar no hospital.

Entretanto eu quem sempre encarei a morte como um rito de passagem, o único destino certo que todos nós temos, acho que sinto mais essa morte que as demais. Era uma pessoa que eu convivia dia e noite, direto e isso faz mesmo uma grande diferença. Um tio muito querido meu morreu de infarte fulminante e não senti tanto. Meu avô quando faleceu, mesmo sendo querido, ele já foi mal para os hospital e era meio "esperado". Um amigo de faculdade morreu de forma abrupta engasgado com a própria língua em um ataque epilético, senti a morte mas não convivia tanto. Um amigo de fórum com quem eu conversava bem e que vim a conhecer uma vez ao vivo e nos demos bem morreu de forma trágica e estúpida por parte de um marginal qualquer, onde me fez ficar realmente muito mal. Mas nenhuma chega a esta perda porque, eu acho, seja a convivência contínua com ela. Ainda olho o quarto e ainda lembro dela e tudo mais. É meio complicado encarar que quem você gostava muito se foi sem que você estivesse "preparado".

Acho que a morte é dura conforme o grau de intimidade e convivência, sendo muito duro para quem fica. Quem vai, só espero que seja rápido e indolor, que vá com paz, mas quem fica que é dureza. Quando soube do acontecido, simplesmente na hora pensei na minha mãe, em como ela estava reagindo, já que estava ao lado da minha avó na hora. Acho que foi nessa hora que vi como é duro mesmo encarar a morte da perspectiva de quem fica, porque por mais que achemos que a pessoa vá ficar mal, não sabemos a real grandeza da coisa até vivenciarmos de fato. Por isso que o fato de encarar a própria morte não deve ser vista apenas do aspecto próprio, mas de quem vai ficar também, como as pessoas vão reagir. Por mais que seja duro para mim, espero que eu não vá antes de meus pais, pois sei que eles não aguentariam tal perda de alguém tão próximo.

E falo de pessoas queridas e próximas e não de pessoas que você querendo ou não só conhecia de ouvir ou ver de longe, como essa onda chata de ficar falando do Michael Jackson, que já se foi semana passada e até agora não se fala em outra coisa, sem nem sequer ter enterrado o difunto, enquanto os abutres familiares brigam pelos espólios do morto. Do nada, surgiram fãs do cara e os fãs se sentem viúvas do cara que mal conheciam. Sei lá, mas acho exagero demais para minha conta. É mais um desabafo sobre esse coisa bizarra que virou a morte do MJ este trecho.

Bem, desejo que minha avó descanse em paz e espero não ter sido muito confuso em minhas palavras. Até breve...

Sorte do dia by orkut: Ninguém pode voltar e criar um novo início, mas todo mundo pode começar hoje e criar um novo final

7 comentários:

Anne disse...

Eu acredito que toda morte, sendo de uma pessoa próxima ou apenas de uma admiração, dói em nós de uma forma ou de outra - veja pelo caso do MJ, muita gente se sensibilizou com o caso e tal.

Mas cada um é cada um. E viver diariamente com uma pessoa e do nada ela simplesmente "sumir" é pra se ficar mal mesmo. Não importa se tá doendo mais do que doeu com outra pessoa, está doendo. Permita-se ficar triste e chorar se precisar, pois isso não é nada ruim e muito menos errado.

Desejo muito força e bola pra frente, Hideke. A vida continua e eu tenho certeza que sua vó tá lá em cima te olhando e ficando triste se você ficar mal mesmo.

Qualquer coisa, chama eu! ;*

Anne disse...

Só um adendo: que horrível saber que um amigo morreu engasgado com a própria língua...

Algo parecido aconteceu no ano passado, quando uma amiga minha caiu da lotação porque o FILHADAPUTA do motorista não fechou a porta e ela bateu a cabeça na quina da calçada. Casos diferentes, mas são mortes sem "previsão". Isso dói mesmo.

Ichigo disse...

Nya... devo confessar que a morte de MJ me deixou meio traumatizada... tipo... mortes repetinas chocam. Eu me choquei, fiquei triste e fiquei pensando em todas as pessoas que uma hora vc falou e no dia seguinte você descobriu que não a verá mais.
Fiquei com medo por mim e pelos outros que me cercam... mas é engraçado que é a unica certeza, e quase todos tem medo...

Naty disse...

Olá!!
Sinto muito pela a sua vó!!
Acho que posso entender o que você esta sentindo!!
Há 4 anos atrás também perdi a minha vó materna que me criou, e sinto um vazio até hoje!!!
Nessas horas você tem que estar perto da sua mãe viu? Talvez ela não demostre o que está sentindo realmente e isso possa vir a fazer mal!!
Eu fiquei meia sem graça com a morte do Michael Jackson, principalmente por causa das pessoas que ficavam zoando ele!!
Bom, é isso!!
Pelo menos você tem o blog para poder desabafar!!
Espero que esteja tudo bem com você, porque sei como realmente é dificil essas horas!!
Bom, fico por aqui
bye bye e se cuida

Hidekee disse...

>TODOS:

Obrigado a todos pelo carinho e preocupação. Agradeço mesmo o apoio de cada um. A vida continua e o blog tb ^^v

Chrno disse...

;/
me.. desculpe por sua avó ó_ò
eu... acho que sei oque é... como perder uma pessoa querida... não sei na verdade.. mas compreendo voce.
Sou paulista mas moro em Minas Gerais, ainda assim minha família continua lá normalmente. Meu primo (quase irmão) tinha uma amiga que convivia com ele em sua sala de aula, uma cadeira a frente, uma menina super de boa que por causa de assuntos familiares... (parecia ser feliz a garota) se suicidou.. tomando veneno... Meu primo ficou muiitoo abalado... Eu, não conhecia a menina, mas por tempos, lembrava dela, via a sua foto e sentia como se ja a conhecia a tempos... Fiquei muito mal... Até hoje.. Mas, quer queiramos ou não, temos que superar.. E foi isso que tentei fazer ^^ Não tem jeito... óò

Rubí disse...

Engraçado o fato de que sempre quando alguem morre,nos faz refletir na vida, e vem aquelas perguntinhas basica :Como sera a morte?, Pra onde nossas almas vao?. Meu Deus, e tbm engraçado o fato da vida ser curta de alguma forma..

Realmente nao sei como encarar a morte de netes queridos..Nao consigo nem imaginar a morte de meus pais que sei que se vao um dia ou a minha.Realmente me assusta..

Adorei o assundo da vez.
Aguardo anciosa por mas.