segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Ragnaerist - A Era de Cynedom

Dando prosseguimento as postagens do cenário de RPG que estou desenvolvendo, chamado de Ragnaerist, agora entrarei no que chamo de História do Mundo. É um apanhado de acontecimentos que realmente estão catalogados e não são apenas mitos ou lendas. Aqui segue a Era de Cynedom, um grande reino que durou um bom tempo com muita prosperidade, até que começou a ruir e te seu fim, dividindo-se em duas grandes nações. Espero que apreciem esta parte do cenário com mais texto e apenas o escudo de Cynedom que eu mesmo construi no Photoshop usando shapes básicas.

----- xxxxx -----

Os registros históricos mais antigos narram que as cinco raças inicialmente viviam de forma um tanto isolada uma da outra. Alfar e Dvegar viviam na região leste, com Alfar no nordeste e Dvegar no sudeste. Já Dokkar e Jotnar viviam na região oeste, com Dokkar ocupando a área noroeste e Jotnar a área sudoeste. Os Middrar habitavam a região central. Estes eram os que tinham maior contato com as demais raças.

Com o passar dos anos, os habitantes do Mundo começaram a crescer, especialmente os Middrar. Sua população crescia muito mais que as outras raças. Isso levava a uma expansão natural de território ocupado o que acabou por fortalecendo e ampliando sua tribo. As demais raças se expandiam em ritmo menor, mas constante.

Mesmo uns tendo ideologias mais ordeiras e outras mais caóticas, havia certo entendimento cordial. Isso ajudou aos Middrar, que se davam bem com todas as demais raças, a propor uma união entre as raças sob uma única nação. Isso uniria as tribos e daria uma sustentabilidade maior a todos. Com apoio inicial de Dokkar e Alfar, Jotnar depois concordaram e os últimos a cederem foram os Dvegar. Assim surgia Cynedom, conhecido como O Reino de Todos.

Cynedom seguia uma lógica de um rei decidido por um grupo de príncipes, um de cada raça, dentre um grupo de cidadãos eleitos pelo povo. O rei permanecia no poder até sua morte, mas seu legado não era herdado para seus descedentes, e sim escolhido outro perante o mesmo sistema. Além disso, se houvesse dúvidas sobre a integridade do governo do rei, tanto o conselho de príncipes quanto o grupo dos eleitos pelo povo poderiam contestar suas ações e em último caso pedir sua abdicação do trono.

Basicamente todo o sistema de regimento era composto de uma parte de nobre e por outra de cidadãos comuns, fosse na criação de obrigações e direitos ou na sua execução e julgamento. Todos participavam e o sistema agradava a todas as raças e a todas as ideologias. O rei era a figura icônica de tudo isto, pois era escolhido por nobres, sendo de origem comum.

O primeiro rei de Cynedom foi Neil Cináed. Rei Cináed era um Middrar e fora um dos progenitores da ideia da criação de Cynedom. Todos concordavam que ele seria mais que digno em administrar o reino e realmente não decepcionou seu povo, levando Cynedom a uma era de glória durante seu governo. Em pouco tempo cidades foram construídas em meio a cidadelas mais rústicas. Estradas ligando várias partes do Mundo foram criadas ou iniciadas, sendo continuadas nos reinos que se seguiram. Um legado que Neil deixou para quem o seguisse foi uma extensa e complexa estrutura de obras que ele sabia que em toda sua vida não seria possível de serem concluídas. Seus predecessores deveriam levar a diante aquilo que julgassem necessário para que Cynedom crescesse e concedesse a seu povo o que houvesse de melhor e mais confortável. Rei Cináed governou por 31 anos, subindo ao poder com 56 anos e vindo a falecer ainda lúcido mas debilitado pela idade com 87 anos.

Após rei Cináed, seguiram-se: rei Edmund Di Francis, um Middrar que seguia a ideologia de Cináed e governou por 35 anos; rei Harlan Goizargi, um Alfar que tinha fama de justo e de bom coração, governando por 44 anos; rei Tyr Laszlo, um Dokkar que era considerado bom administrador e eficiente, mas dizem que foi eleito mais para agradar os Dokkar que não haviam estado lá muito alegres de serem governados por um Alfar por mais de 40 anos, mas rei Tyr governou até mais tempo, 50 anos.

Após rei Tyr, instaurou-se um impasse, pois no grupo de eleitos haviam mais Middrar que componentes das demais raças, sendo natural que um destes fosse escolhido rei. Entretanto o conselho dos príncipes estava já pensando em um representante dentre os Jotnar ou Dvegar para governar Cynedom. O impasse foi resolvido quando o príncipe Erhard Fearghal, que representante dos Jotnar leu em reunião com o grupo dos eleitos o livro de direitos do povo de Cynedom. No trecho recitado por Erhard era explícito que qualquer cidadão de Cynedom era igual perante os demais, independente de ideologia, raça ou deus a que seguisse. Isto acabou enfraquecendo o desejo de um rodízio de raças no poder que o conselho dos príncipes queria. Dizem que Erhard era contra este acordo por considerar que não poderia preterir um “incompetente” perante um “competante” apenas por um acordo firmado previamente e que na verdade os Jotnar não gostavam muito da vida burocrática e estavam insatisfeitos com um provável rodízio que obrigaria um deles a ocupar o trono. A saída encontrada por Erhard foi a leitura do livro.

Após o impasse, rainha Justine Seraphin, uma Middrar, assumiu o trono e continuou a era de ouro das raças. Governou por 42 anos um reino de prosperidade mas já menor que antigamente. Ao final de seu governo iniciou-se a queda de Cynedom.

Já no governo da rainha Seraphin os índices de criminalidade estavam elevando-se e havia certo sentimento de insegurança da população, além de insatisfação, pequena, mas presente devido a queda da prosperidade do reino. Assim, após anos vivendo apenas com a sutil intervenção dos deuses, o povo passou a desejar mais presença de seus deuses, crendo que eles poderiam ajudar a resolver os problemas de Cynedom.

Ouvindo o clamor do povo, os deuses passaram a ser mais e mais presentes nos governos que se seguiram. Entretanto o resultado não foi bem o esperado...

A maior presença dos deuses em meio ao povo na verdade acirrou em alguns os desejos mais ligados aos seus ideais originais de ordem ou de caos. Além disso, os crimes continuavam, a prosperidade diminuia e diferença social entre nobres e comuns era cada vez maior. Com o tempo foi necessário aumentar o controle sobre a população para que os crimes fossem reduzidos. Mas nada foi feito quanto aos outros problemas. Além disso, as leis mais rígidas e controle sobre a população maior levavam alguns a acreditar que os Sundors estavam tendo previlégios dentro do governo. Alguns dos eleitos também não gostavam de como as coisas estavam se encaminhando, pois achavam que o governo estava ficando excessivamente controlador. O contra-argumento dado pelos defensores, especialmente os nobres, vinham de que não poderiam deixar os crimes, especialmente os roubos que eram mais comuns, permanecerem como estavam. Os que seguiam os Eotens não estavam satisfeitos e obviamente seus deuses também não. Haviam acusações de influencia mais do que devida por parte dos Sundors na vida dos mortais, enquanto os Eotens eram acusados de incitar seus seguidores contra os Sundors e os seguidores destes.

A instabilidade política e social era enorme e o caminho que Cynedom tomava era um sem volta. Haveria uma divisão eminente no reino. Assim, após 115 anos, três governos após o da rainha Seraphin, Cynedom conhecia o seu fim, sendo dividido em dois. Terminava a Era de Cynedom e iniciava-se a Era da Divisão...

----- xxxxx -----

Bem, aqui termina mais um trecho do cenário e espero que esteja agradando. Na próxima postagem vai ser sobre o que chamei de Era da Divisão, onde mostrarei a criação de duas nações que seguiam filosofia de vida distintas.

Pensamento do dia: O mundo não poderá tomar um novo caminho se não conseguir uma união íntima da técnica e da moral. Theodor Plievier

2 comentários:

Naty disse...

Olá!!
nossa, ficou muito bem elaborada essa Era, se bem que os nomes são muito complicados de ler ¬¬
Vou tentar pegar o outro post sobre essa Era da Divisão!!
vou indo e Feliz Ano Novo!!
até mais!!

Hidekee disse...

>Naty:

Ah sim, os nomes são meio confusos mas eles precisam existir hauhuahuahua...

Espero que esteja gostando da história e que goste das próximas postagens do cenário.

E Feliz Ano Novo para ti tb Naty =***