quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Quando a chuva cai

Normalmente deveria ser algo alegre o ato de observar a chuva cair, especialmente no início de ano. Isso tinha no passado, para muitos povos, a simbologia de um ano próspero e alegre, cheio de fertilidade nos campos. Entretanto não é o que acontece em muitos lugares do Brasil.

No início do ano passado aconteceram tragédias anunciadas na região serrana do Rio de Janeiro. Um ano antes o mesmo em Niterói. E este ano acontece no norte e noroeste do Estado do Rio. Acontecimentos previsíveis, que os governos tinham condições de prever e se antecipar, mas nada fizeram, o que me motiva a considerar isso simples falta de vontade polícia mesmo. E o pior é não ser uma exclusividade do Rio de Janeiro, pois Minas Gerais está sofrendo enchentes que também poderiam ser evitadas ou diminuídas, assim como ocorreu no passado em Santa Catarina.

Toda prefeitura e estado consta de geólogos e urbanistas que podem claramente saber se pessoas ocupando áreas de risco estão se expondo ao tal risco anunciado. Então tem sim como evitar ou pelo menos minimizar os danos que chuvas fortes, tão comuns no início de ano, causem na população. Falta na verdade é de um plano decente e contínuo, que não seja parado porque o partido no governo mudou. Afinal de contas, técnicos concursados continuarão trabalhando, independente de qual partido político esteja no poder.

Este ano é ano de eleições, então é hora da população, eu e você, começar a usar informações que existem na internet (de fontes sérias e minimamente confiáveis) e observar o que os políticos têm feito e, especialmente, não têm feito. Cuidar da população não é sinal de bondade, mas de cumprir o que é dever de todo político. Além disso, ver para onde recursos disponibilizados após as tragédias vão parar! Em Teresópolis ficamos sabendo que o prefeito anterior, que foi afastado, usou dinheiro para reconstrução da cidade para comprar notebooks para os seus protegidos. Mas até hoje tem cidades que não viram dinheiro destinado a elas, como umas em Santa Catarina, e pessoas que perderam casas e o poder público não fez nada para elas ainda. Cabe a nós cobrar dos políticos atitudes e saber em quem votar nas elições deste ano.

Além de cobrar dos políticos, temos que observar para onde vão as doações. Ano passado vimos gente se aproveitando da bondade alheia e dizendo que estava recolhendo donativos para as vítimas da região serrana do Rio, mas desviavam estas doações. Este ano a Cruz Vermelha está colhendo donativos, e sinceramente, acredito mais na ação da Cruz Vermelha do que de algumas instituições que se dizem acima de suspeita mas não sabemos a índole de seus membros. Não de todos, mas basta um ou dois "espertos" para estragar todo o sistema. Então é ficar de olho a quem doar também, caso queira fazer o bem a quem está sofrendo.

Espero que chegue o dia que as chuvas de início de ano voltem a apenas significar bom presságio para nós. Até breve!

Pensamento do dia: Um dia de chuva é tão belo como um dia de sol. Ambos existem; cada um como é. Fernando Pessoa

2 comentários:

Natália (Naty) disse...

Olá!1
Taí um problema que nós sofremos todos os anos. E não apenas no Rio e Minas Gerais, mais em qualquer lugar que chova muito!!
É revoltante saber que mais um ano passou e nada foi feito e é até frustante.
Obrigada pela mensagem lá no blog. Espero realmente que esse ano seja melhor que o ano passado. 2011 foi um pouquinho ruizinho para mim (não só por causa daquilo que aconteceu)
Beijos, até mais

Hidekee disse...

@Naty:

Temos que ter esperanças que 2012 será melhor do que o que passou o.óV

E realmente é frustante a gente ver essa "indústria" da enchente, como a "indústria" da seca no nordeste ¬¬

Mas enfim, desejo novamente que 2012 seja mto melhor do que 2011. Beijos!